Insomnium e Tribulation  são duas bandas com sonoridades inconfundíveis que representam, acima de tudo, pedras basilares da originalidade que a música extrema necessita para não cair no esquecimento. As mesmas deram ao público português o distinto prazer de as ver na mesma noite, sob a forma de duas datas incorporadas na sua nova digressão. A MOSHER TV esteve presente na primeira data, que teve lugar no passado dia 9 de Abril no Hard Club (Porto), e vamos contar-vos como foi.

Às 21h00 em ponto deu-se a introdução que anunciava a entrada de Tribulation, sendo que pouco tempo depois a sala já estava mais ou menos com o mesmo número de pessoas que iria ter ao longo da noite. Um número de pessoas que quase dava para encher a sala mais pequena do Hard Club, algo respeitável para bandas com pouca projecção no nosso país e que já tinham estado em terras lusas no ano passado. Insomnium participou na segunda edição do VOA FEST em Lisboa e Tribulation marcou  presença no Vagos Metal Fest.

De ambas as bandas eram os Tribulation que traziam mais novidades, com um novo álbum na manga (“Down Below“) e que apresentaram com de uma postura de palco extremamente teatral (no melhor dos sentidos), bem como uma execução extremamente competente. Junte-se ainda um som ao vivo irrepreensível onde tudo estava minimamente perceptível. O público foi brindado com vários temas fortíssimos do novo álbum, a começar com “Lady Death” e passando por dois outros temas marcantes: Nightbound” e The Lament”. Os dois anteriores lançamentos não foram esquecidos, sendo que a prestação cheia de entrega e profissionalismo terminou com um dos temas do anterior “The Children Of The Night”, denominado “Strange Gateways Beckon”. Um início excelente do que prometia ser uma noite memorável em todos os sentidos.

Setlist de Tribulation

Pouco tempo depois, tinha chegado a hora mais aguardada da noite: após uma introdução instrumental francamente inesperada, os titãs do death metal melódico entraram a correr no palco, saltando imediatamente para o colosso “Winter’s Gate” (2017), tocando o álbum inteiro sem pausas, acompanhados por um espectáculo de luzes incrivelmente bem feito, captando perfeitamente a ambiência da obra. É de destacar a enorme evolução que a banda teve na sua postura de palco em relação à sua primeira passagem por terras lusas no ano de 2011, com um nível muito maior de intensidade e  à-vontade.

Terminando o épico de 40 minutos, finalmente pudemos ver as caras daqueles que receberam o público com enorme alegria e uma energia contagiante. A hora que se seguiu foi recheada de clássicos de toda a sua discografia, desde as relativamente recentes Promethean Song”While We Sleep” até ao clássico Mortal Share”, do intemporal Above The Weeping World” (2006). Com um som igualmente irrepreensível, uma postura de palco excelente e uma execução desprovida de erros além do habitual para um concerto ao vivo, resta apontar o não-defeito associado à ausência de temas dos primeiros lançamentos da banda, Since The Day It All Came Down” de 2004 e In The Halls Of Awaiting” (2002). De resto, foi um dia inesqueível para qualquer fã de ambas as bandas, e admirável para qualquer fã de música em geral.

Setlist de Insomnium

 

Comentários

Biólogo, músico e escritor freelance com a mania que sabe tudo.